Game of Thrones – Episódio 18: The Prince of Winterfell

Um episódio parado levando em consideração que além desse teremos apenas mais dois para fechar a temporada. Apesar de algumas tramas para essa temporada provavelmente já terem se encerrado aqui (sinceramente, se for para vermos de novo Robb, Catelyn, Jaime e Tywyn esse ano que seja só em passagens rápidas) e outras estarem encaminhadas, acho que poderíamos ter visto no mínimo a Casa dos Imortais já neste episódio – e deixado o próximo para o clímax da temporada. Mas enfim.

  • Asha/Yara Greyjoy aparece no começo do episódio apenas para sambar na cara de Theon e avisar que ele está cometendo estupidez atrás de estupidez. Que se ele quer impressionar seus comandados e ter o respeito de seu pai, ou vice-versa, ele está fazendo isso muito, muito errado. Primeiro: para que dominar um castelo que está longe do mar e cuja logística para manutenção dará uma trabalheira danada? Segundo: já que fez a bobagem, por que matar duas crianças – crueldade desnecessária – e que ainda por cima valem muito mais vivas do que mortas? E que ele é um moleque (homem não é mesmo) completamente perdido…
  • Catelyn Stark vai lá e solta um prisioneiro importante, crucial e quer que os outros achem isso bonito. Aham. E já tivemos o começo do relacionamento entre Jaime e Brienne. Por mim, a linha desses dois já estava encerrada nesse episódio, mas acho que eles ainda aparecem na season finale só para não serem esquecidos e bola pra frente.
  • Da mesma forma, se os produtores quisessem encerrar hoje a trama da Arya, teriam conseguido, mas como ela é um dos personagens mais populares fica para a season finale. Tywyn Lannister foi embora e ela não conseguiu impedi-lo. Depois de mostrar esperteza ao negociar – e ameaçar, com as armas que tem – Jaqen H’gar, sua fugae a de seus amigos está encaminhada. Como disse, dava pra resolver neste episódio, mas ela deve voltar na season finale.
  • Não esperava que o Samwell ❤ fosse reaparecer ainda nessa temporada, mas foi bom revê-lo e ver que os rapazes da Patrulha da Noite encontraram alguns objetos interessantes por aí (e a leitora da série repete em êxtase: SAM THE SLAYER, SAM THE SLAYER *-*)
  • Daí Robb encontra-se com Talisa, os dois tem uma conversa fofinha entre as árvores, depois no cair da noite ele está p com a vida e o universo e faz todo o discurso sobre ser um rei bonzinho e Talisa conta para ele toda sua história sofrida. Eles se beijam ardentes de desejo e rolam pelo chão fazendo amor… Que fofinho! -NOT. Cara, tou achando a condução desse casal tão TOSCA – tudo bem, o Robb de filho passou a chefe de clã (que é pior do que ser chefe de família), está no meio de uma guerra, os irmãos em situação de incerteza, o melhor amigo deu uma punhalada em suas costas, não pode confiar nem na mãe e por isso ele está fragilizado, mas toda a condução me parece tão boba, ainda mais em comparação com as outras tramas do seriado. Daí ele fala que não vai se casar com a moça Frey e faz amor com a nova namorada. Ok, mas o casamento é POLÍTICO, ninguém disse que ela não pode ser amante dele e todos os envolvidos entendam a situação, inclusive a futura esposa. Gente, é muita BURRICE. E o seriado tá mostrando por A+B que o Robb é bonito, simpático, tem boas intenções mas que não serve pra rei não. A ver.
  • É chover no molhado falar do Tyrion, né? Mas gostei especialmente deste episódio por mostrar todo um espectro de quem ele é: do homem ameaçado pela irmã e que demonstra uma fragilidade além dos limites em sua intimidade (e esquece da regra que ele próprio repete à exaustão de que prostitutas são apenas “alugadas”) às cenas de humor e sarcasmo na companhia de Bronn e Varys (e os melhores diálogos da série, sérios ou nem tanto, são entre Tyrion e Varys, show de interpretação de ambos). Nesses momentos é que se pode notar toda a extensão e complexidade do personagem: alguém que tem motivos para ter medo, mas que se aproveita de sua posição de desvantagem para dar algumas risadas do mundo e de suas regras – e que ele é um jogador do Jogo de Tronos muito mais eficiente do que Ned Stark jamais foi, só que isso tem um preço. E uma nota incidental: a cara de “ah, dragões, aham, largue as drogas” que Tyrion fez ao ouvir o relato de Varys foi impagável.
  • Por fim, se alguém ainda tinha alguma dúvida e para alívio generalizado, Bran e Rickon continuam vivos. Também dava pra ter segurado a revelação até a season finale, mas fica o alívio aí para quem duvidava!

***

No próximo e esperadíssimo episódio teremos a Batalha de Blackwater! Talvez fosse necessária uma temporada inteira só para ela, mas estamos chegando!

Até a próxima!

Anúncios

11 Responses to Game of Thrones – Episódio 18: The Prince of Winterfell

  1. Bruno says:

    Tenho achando a historinha do Robb e da aleatória lá muito tosca também. Acho que passa primeiro por tentar dar esse destaque a mais pra ele, coisa que ele não tem nos livros; e em segundo pelo fato de que os atores (ou pelo menos “o” ator) são simplesmente ruins demais. Sério, a hora em que ela fala pra moça que ele não queria casar que ele fez só faltou chorar pra mamãe =P

    Aliás, em geral acho que as atuações tão mais ruinzinhas nessa temporada do que na anterior. Salvo os que já eram destaque desde lá (i.e., Tyrion e Arya), acho que só tem se destacado mesmo o Stannis. De resto…

  2. Bruno says:

    Ah, outra coisa também: senti falta da retomada de Harrenhal… A mudança na trama da Arya foi meio que uma forma de encurtar a história toda, mas a impressão que ficou é que ninguém tá muito interessado mais em guerrear por lá… =P

  3. Marcos says:

    Mais repentina do que a paixão entre o Robb e a Talisa foi a relação Tyrion/Shae. A série não construiu durante a temporada uma relação verossímil entre os dois. Aliás, nem vi os dois conversando depois de chegarem a Porto Real. O Tyrion aparecia jogando o jogo de tronos na corte, a Shae ajudando a Sansa, mas os dois juntos não me lembro de ter visto.

    Gostei de ver a fala do Ned no primeiro livro (“Esse é o único momento em que um homem pode ser corajoso”) aparecer por aqui. Foi nessa hora em que o livro me pegou.

    Jaime Lannister tem um longo caminho a percorrer, se for chegar a Porto Real do jeito que deve chegar. Ainda não assimilei a filhadaputagem do episódio anterior.

    Gostei da maneira como eles mudaram a captura do Jon e do Qorin Halfhand.

    Agora, ansioso pelo próximo episódio. Esperemos que o orçamento tenha sido grande para esse episódio, que será escrito pelo próprio Martin.

    Aliás, o terceiro livro será feito em duas temporadas. Viram isso?

  4. Marcela says:

    Apesar de parado, eu gostei bem mais desse episódio do que do sétimo. As coisas estão se encaminhando para o fim e realmente alguns personagens já podiam ter dado seu adeus. O que dizer da cena do Robb? Aff, TOSCA é pouco!!! Aliás, agora que eu estou lendo o terceiro livro, não entendi muito bem se a Talisa e a Jeyne são/serão a mesma pessoa… Mas hein, demais a *fofura* dos dois, *não vou me casar com a Frey* *eu não quero que você se case*… Ah, jura? Blé.

    Achei que ficou com pouco sentido a Cat ter soltado o Jaime. No livro ela estava desesperada, tinha recebido a notícia que os meninos estavam mortos, estava transtornada e sabia que só tinha as duas filhas e por isso se justificava a troca impensada…. Mas nesse último episódio ela nem fica sabendo da morte dos dois, só que eles estão presos… Sei lá, no livro ficou mais “justificável” fazer o que ela fez.

    Tyron sempre MUITO AMOR!!

    Beijos!

    • Marcos Panontin says:

      Concordo. No livro, o ato dela foi muito mais justificável do que na série. E se no livro eu já fiquei com uma puta raiva dela (que tinha acabado de “perder” os dois filhos), na série eu simplesmente achei absurdo ela fazer o que fez.

      Além do que eles não deixaram muito claro que a Brienne está levando o Jaime para trocar pelas meninas.

  5. Dan Ramos says:

    Oi moça! Gosto muito desse blog, mas só agora parei pra comentar algo. Assim, vou aproveitar e elogiar mais ainda essas resenhas, as mais divertidas de todas 😀

    Sobre Robb e Talisa, eu não estou achando muito mais tosco que no livro não (no tocante aos personagens e às atitudes do Robb). No livro, como você sabe, ele de repente aparece casado com Jeyne Esterling (é assim? Esqueci), todo moleque apaixonado e bobalhão, ainda dizendo que ela foi boa pra ele porque cuidou de suas feridas e tal.

    Abs! 😀

    • Pior que no livro acho que faz mais sentido justamente pela idade dele (ele tem uns 14 ou 15 anos no livro e na série é sensivelmente mais velho que isso – no episódio passado disseram que o Joffrey tem 17 anos, então ele deve ter uns 19 ou 20…)

      • Dan Ramos says:

        No livro ele começa a guerra com 16, Ana. Várias vezes ele diz que é um homem feito, inclusive. Eu achei superestranho o Joff ter 17 na série aliás, já que os Stark eles só envelheceram 2 anos (Bran foi de 8 a 10, Rickon de 6 a 8, etc). Sansa começa a série com 13 (lembra da conversa com Cersei no banquete?).

      • Dan Ramos says:

        Se eu estiver enganado perdoe, é a memória falhando 😛

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: