Wizard’s First Rule (A Primeira Regra do Mago) – Terry Goodkind

A Guerra dos Tronos está no topo do hype agora. O seriado está sendo produzido pela HBO com cuidado e esmero, com orçamento que permite fazer coisas boas, com elenco escolhido a dedo, tudo para manter o padrão HBO de qualidade (Roma? True Blood? Band of Brothers?). Para quem quer novidades frescas sobre a série, recomendo clicar aqui e aqui.

Mas pouco antes de A Song of Ice and Fire virar série, outra obra hypada virou seriado, pela mais modesta ABC: Sword of Truth, rebatizada como Legend of the Seeker. Assisti aos dois primeiros episódios e não achei exatamente a minha (e PELAMOR, a série tem DEFEITOS especiais!), então deixei pra lá.

Um dia, em dezembro do ano passado, estava andando pela livraria, vendo as estantes de livros quando vi uma capa com duas figuras que pareciam uma bruxa e um guerreiro que se encaravam numa linda paisagem e com o convidativo título de A Primeira Regra do Mago. Fiquei interessada, fui consultar o preço e quase morri ao descobrir que o lindo livrinho custava a bagatela de 75 reais (a faca vem de brinde,  Rocco?). Meu salário de free-lancer profissional liberal não dá conta desta demanda, então deixei para lá. Comentando o fato com uma amiga, ela me disse: “ora, mas eu tenho esse livro aqui e mais os dois próximos da série, você quer emprestado?”, ao qual eu respondi: “:D”.

Só em junho consegui pegar os livros e o tamanico (mais de 800 páginas cada) me assustou. Deixei para uma oportunidade vindoura, que apareceu durante a semana passada. Espero que o pessoal da comunidade Legend of the Seeker não me odeie muito, pois minha intenção original de fazer essa resenha foi pela quantidade de acessos que recebo de lá 😛

Enfim:

Era uma vez Richard Cypher, um rapaz que vive uma vida normal como guia de uma floresta e que tem seu destino mudado quando, por um acaso, encontra uma bela mulher perseguida por quatro homens armados. Seu nome é Kahlan e ela está buscando pelo último grande mago do mundo, que poderá despertar o legendário Seeker, aquele que detém a Espada da Verdade e é o único capaz de deter Darken Rahl, um feiticeiro malvado e muito poderoso que vai dominar o mundo após reunir três artefatos do poder (precisa MESMO falar alguma coisa aqui?).

Claro que antes da página 100 o autor já revela que o Richard é o Seeker (para que ficar cozinhando o galo com o óbvio?), a identidade do mago e coloca todo mundo na estrada para enfrentar o mal iminente. Enquanto Richard, Kahlan e Zedd viajam pela Fronteira, dá quase para imaginá-los pixelizados em um RPG do Super Nintendo (sim, eu vi os bonequinhos, as batalhas randômicas e o cenário na minha frente enquanto lia).

E é aquele tipo de livro com margem de segurança: quem é bom é bom, quem é mau é mau, o vilão não quer nada menos do que dominar o mundo, os clichês cairão como frutas maduras no colo do leitor, vão haver deus ex-machina sempre que necessário…

Maniqueísmo é necessariamente ruim? Não acho (e pra mim o grande problema do livro apesar de passar por aí nem é esse). Uma história feijão-com-arroz de aplicação direta da jornada do herói cheeeeia de clichês do gênero é necessariamente ruim? Não acho também. Mas, CLARO, se o que o autor está vendendo é isso e o que você está comprando é isso.  Como essa relação se estabeleceu aqui, não me incomodei. Esse tipo de história não me desgosta – não é o que quero ler o tempo todo, mas tem épocas em que andar na “margem de segurança” é preciso, até.

E, claro, worldbuilding é para fracos. Pra que perder tempo criando um mundo se você pode presumir que o leitor é versado em high fantasy e conhece as convenções do gênero, rabiscar um mapa com indicações e tá tudo certo? Claro, dá para incluir fronteiras mágicas que não podem ser ultrapassadas e monstrinhos, mas nenhuma novidade.

Os personagens ganham poderes e o protagonista entendem melhor sua natureza de escolhido, de figura central de profecias e tal, mas ninguém cresce ou muda (aliás, até muda, mas explico abaixo). Para que personagens redondos se os planos já resolvem, para que cinza se o preto e branco já agradam?

Porém, o relacionamento entre Richard e Kahlan é bonitinho bem-construído, a maneira como vão se apaixonando e ficam perdidinhos de amor. É um desdobramento óbvio desde o momento em que se encontram, mas o autor consegue fazê-lo sutil e gradual. Primeiro, a necessidade de se protegerem, segundo, a cumplicidade que nunca tiveram por ninguém mais, terceiro, o desejo, quarto, a constatação do óbvio. É um amor proibido – ela é uma Confessora, a última de sua estirpe, e não pode se relacionar com um homem sem torná-lo um escravo sem vontade própria – mas que não consegue ser contido. O capítulo em que ela revela ao apaixonado Richard por que não podem ficar juntos é de encher os olhos de lágrimas, se a intenção foi fazer o leitor se compadecer, o autor conseguiu brilhantemente.

E, claro, a trama tem uma mistura de safadeza oculta com puta falta de sacanagem. Há uma certa perversão sexual permeando o ambiente (JÁ MENCIONEI QUE A SUB-VILÃ É UMA DOMINATRIX????? *-*) – a diferença de uma Confessora para uma Mord Sith é que a primeira é uma moça boazinha que fará a dominação por mágica, mas os efeitos são os mesmos. A dominação pelo sexo/amor/temor é da mesma natureza, mas maniqueísta.

As Confessoras, puras em suas roupinhas brancas, criaturas que tem o poder de tomar a vontade de um homem para si e devassar seus segredos (foram feitas justamente para tomarem confissões, como o nome sugere) evitam o contato com os homens para que não se apaixonem e os destruam – mas não hesitam em escolher um macho aleatório para se reproduzirem – e existem tantas técnicas rudimentares de inseminação artificial, ainda mais num mundo mágico, então para que dominar um homem e tirar sua vontade para se reproduzir sendo que é possível simplesmente negociar um doador?

As Mord Sith, guerreiras criadas para se tornarem sádicas ao extremo e terem prazer na tortura, tomam a vontade de seus prisioneiros pelo medo e pelo terror – e eventualmente tomam algum deles para serem seus parceiros. Qual a diferença, senão o sinal trocado?

(mas sejamos justos, as Confessoras são temidas pela grande maioria das pessoas…)

E a puta falta de sacanagem é porque apesar disso o livro não tem uma única ceninha caliente!!!! =(((((

Agora alguns detalhes que não posso deixar passar – e que interferiram bastante na minha apreciação do livro – mas que são SPOILERS. Se você se sente incomodado por isso, pule direto para o fim da resenha.

Leia mais deste post