Ela

ela-filmeUm dos maiores paradoxos da modernidade é que, apesar de termos inúmeros gadgets, conexões e artefatos que eliminam as distâncias, estamos cada vez mais solitários. Vamos para o trabalho (e hoje qual profissão não precisa de um computador para executar as atividades?), chegamos em casa, nos atualizamos das notícias e jogamos videogame antes de dormirmos e começarmos tudo de novo – e isso tudo com poucas interações sociais pelo caminho.

Theodore, o protagonista do filme, é um homem solitário ainda não recuperado do recente divórcio com a mulher que conhecia desde a infância. Apesar dele ter amigos, conhecidos, um chefe legal com quem tem um bom relacionamento (e com quem aparece interagindo ao longo de todo o filme) e até mesmo encontros românticos, internamente é uma pessoa solitária, que interage mais com eletrônicos ou pela internet com desconhecidos para tentar preencher o vazio interno. Até o dia em que descobre um novo sistema operacional, Samantha, última tecnologia, programada para reagir à personalidade de seu dono e para aprender e evoluir. Eventualmente, Theo acabará se apaixonando pela voz em seu telefone.

Leia mais deste post

Anúncios

Minha Querida Sputnik – Haruki Murakami

(Curioso. Acho que nunca antes na história desse blog um autor tinha ganhado resenhas de dois livros diferentes num espaço tão curto de tempo…).

Segundo livro do Haruki Murakami que leio (e certamente haverá muito mais, pois me apaixonei pelo autor). Novamente aqui, uma história universal sobre o desconforto de crescer e sentir-se isolado, um tema que ele retomou em After Dark (até curioso perceber a evolução narrativa de um livro para o outro. Minha Querida Sputnik é de 1999 e After Dark de 2004, então várias arestas estilísticas puderam ser aparadas). Um ponto que achei interessante nesse livro é que, apesar da trama melancólica, o cenário é colorido e agradável, partindo até mesmo para uma descrição bem vívida e real das ilhas gregas e de cidadezinhas francesas.

De certa maneira, há um liame temático entre esta resenha e a do livro anterior, por mais que as tramas e seu desenvolvimento sejam bem diferentes entre si. Ambos têm por protagonistas pessoas nos seus vinte e poucos anos, completamente perdidas, e que tem de se haver com alguns traumas do crescimento.

Aqui, conhecemos Sumire, jovem, desleixada com sua aparência, que entrou na faculdade de Letras mas largou-a por ver que aquilo não a ajudaria a realizar seu sonho: ser escritora de sucesso. Há um acordo com seus pais: eles a sustentarão até que atinja 27 anos, nem um dia a mais, então é bom que ela se encontre até essa data, mas até o ponto em que a história começa, a jovem não parece fazer muito para realizar seu próprio sonho.

Leia mais deste post