O Rei do Inverno – Bernard Cornwell

Em primeiro, primeiríssimo lugar, tenho de pedir desculpas pelo hiato. Sabem como é, faço o blog sozinha e quando as coisas apertam tenho de parar com tudo. Bom, pelo menos estamos de volta 🙂 E eu tinha avisado pelo twitter e pela página do facebook que estaríamos em recess. Você não segue/não curtiu??? Corrija isso A-GO-RA e clique nos botões aí na coluna do lado!

Mas falando do livro de hoje, não posso dizer que não seja uma pessoa tolerante. Como vocês podem conferir aqui e aqui, minhas experiências anteriores com o Bernard Cornwell (de quem sempre tinha ouvido falar muito bem) não foram exatamente muito proveitosas. Só que sempre ouvia: “leia a saga arturiana dele, é muito boa, você vai gostar!”e isso ficou na minha cabeça. São mesmo, pelo menos no Brasil, os livros mais famosos dele, então resolve dar o benefício da dúvida, aproveitar uma promoção e conferir qual era a do livro (e bom ressaltar que essa tal promoção aconteceu em marco do ano passado e o livro só saiu da estante porque encaixava-se em um dos temas do Desafio Literário, mas detalhes).

Leia mais deste post

Anúncios

Spartacus – Howard Fast

Este é desses livros que contam uma história que todo mundo já ouviu (aliás, é a base para uma de suas versões mais famosas, o filme clássico de 1960 com Kirk Douglas no papel principal) e que atualmente, graças ao seriado também homônimo (que pode não ser lá um bom seriado mas é divertido :P), ganhou uma nova versão. É também uma dessas incríveis histórias reais que sobrevivem ao tempo e são compartilhadas pelas gerações.

 Essa versão foi escrita pelo autor norte-americano Howard Fast no auge do macartismo, a perseguição nada velada aos comunistas. A obra, com viés marxista bem explícito (o conceito de luta de classes está em todos os lados, até literalmente, e como se isso não estivesse claro o suficiente em determinado ponto um personagem vira e diz algo mais ou menos assim: “não trabalho com escravos, só com assalariados, porque já que eles recebem pagamento nunca vão se rebelar”), é um lembrete que, apesar da época difícil, houve desde o início da humanidade aqueles que deram a vida pela liberdade e que cabe a cada um, independente da época, seguir seu exemplo.

  Leia mais deste post

O Centésimo Em Roma – Max Mallmann

Todos os caminhos levam a Roma. A frase, um ditado quase tão antigo como a Cidade Eterna, surgiu da observação de que todas as estradas do Império tinham por destino último a capital.

A frase hoje também pode ser interpretada de outro jeito: nossa civilização tem raízes tão fortes em Roma que qualquer aspecto dela pode facilmente chegar lá. As instituições como conhecemos nasceram em Roma, o idioma surgiu do latim, o cristianismo desenvolveu-se em Roma… Mesmo os povos asiáticos, sub-saarianos e americanos foram imiscuidos por Roma, então hoje a Cidade Eterna vive em cada um de nós.

Tudo isso para dizer que tratar do Império Romano é tratar de nossos avôs, antecessores e professores, então não existe lugar na Antiguidade Clássica – e nem nos períodos posteriores – que nos seja tão familiar como o antigo império.

O  autor brasileiro Max Mallmann se aproveita dessa familiaridade para situar seu novo romance em Roma, no século I, no ano conhecido como “o ano dos quatro imperadores”, período de turbulência política que quase culminou numa guerra civil sangrenta.

O romance conta a história de Desiderius Dolens, legionário romano plebeu que sonha em galgar a hierarquia da profissão e se tornar cavaleiro, mas sabe que isso é complicado para uma pessoa endividada e sem um mínimo de QI (Quem Indica, no caso). Por meio de seus contatos, ele acaba chefiando uma das divisões das coortes urbanas de Roma (uma espécie de guarda municipal), que possuem menos prestígio mas já são um passo até seu objetivo de vida.

A história possui dois narradores: parte dela é contada como um livro de crônicas, as memórias de Dolens escritas por Nepos, seu braço direito. E, como livro de crônicas, traz apenas o relato rápido, feito anos depois, das lutas, crimes, viradas políticas e eventos ocorridos naqueles tempos em que se passa a trama. É um bom recurso para acelerar cenas que de outra forma seriam lentas e inserir detalhes históricos, alguns deles até mesmo reais, de forma sutil e não maçante. O outro narrador onisciente acompanha Dolens e as pessoas que o cercam em tempo real, observando todos os seus passos, olhares, palavras e ações apócrifas que não ficariam bonitas num livro de relato histórico. Os dois narradores se alternam e a transição de um para o outro é bem dinâmica: o leitor não se confunde ou se cansa, inclusive em alguns momentos as formas diferentes de narrativa servem para injetar oxigênio na leitura e fazer o leitor dar uma acalmada após uma cena mais intensa.

A trama é simples ao ponto da banalidade: a vida de Dolens e sua tentativa frustrada (ou nem tanto) de ascensão social. Há intrigas políticas nas quais o protagonista acaba se metendo e um assassinato a ser investigado (e que serve de pretexto para mostrar um grupo anárquico e subversivo que assolava Roma naqueles tempos, os cristãos – e a melhor cena de todo o livro é o culto cristão, disparado), mas a grande maioria dos fatos são acontecimentos cotidianos na vida de Dolens e das pessoas que o orbitam. Inclusive, apesar de ocorrer o assassinato, não faria a mínima diferença para o romance se a identidade do assassino fosse desvendada ou não, pois em quase nada influi na vida dos personagens.

Só que o livro também é uma aula sobre como transformar uma história banal em algo atrativo e interessante utilizando-se de dois elementos, quesão os pontos fortes do livro.

O primeiro é a reconstrução histórica. O autor estudou para falar sobre Roma, leu material histórico, clássico e tudo o que estivesse ao seu alcance para ambientar a trama numa Roma viva e pulsante, habitada por pessoas de carne e osso que passeiam por lugares reais. Verossimilhança, para mim, está muito mais ligada às pequenas coisas do que aos grandes eventos,e os personagens do livro falam, agem e pensam de maneira muito convincente para romanos da época.

E os personagens? São extremamente carismáticos, do idiossincrático Dolens, que deve ser ancestral de um pater familiae moderno até muito conhecido, que ao mesmo tempo em que é inábil para fazer as coisas certas para sua promoção, tem o raciocínio um pouco obtuso e não mede esforços para se dar bem, até consegue agir sem querer da melhor forma para si mesmo. Nepos, seu braço-direito, é um idealista romântico e uma espécie de nerd da idade antiga, o que serve de motivo para Dolens humilhá-lo constantemente aproveitando da prerrogativa de ser seu superior hierárquico. Aqui, as posições de Dom Quixote e Sancho Pança estão trocadas, além da dinâmica entre eles lembrar muito a de Holmes e Watson. Os outros personagens também tem seus momentos, todos eles tem a chance de brilhar ao menos uma vez.

E o humor? Ironia, escracho, nonsense… É um livro engraçadíssimo! As peripécias de Dolens, tanto as que dão certo quanto a grande maioria que dá errado, são observadas através dessas lentes, com resultados muito satisfatórios. Esse foi um dos poucos livros que tive de parar de ler, marcar, deixar de lado e rir à vontade até me recompor! E é o humor na medida, que não se torna cansativo pela alternância narrativa, responsável por delimitar as gags e dar oportunidade para o leitor respirar. Não que isso torne o romance uma comédia, de jeito nenhum, mas foi um ótimo tempero encontrado pelo autor para dar sabor ao seu retrato cotidiano.

Enfim, foi uma experiência recompensadora e é um livro recomendadíssimo, nem que pela reflexão de que Roma é eterna, assim como algumas coisas, como a odisseia para qualquer um sem berço e sem dinheiro se dar bem na vida, não mudam nem no período de dois mil anos.

***

Até a próxima!

Deixe seu comentário!