Cinquenta Tons de Liberdade – E. L. James

uAiai. O que não se faz para pagar uns pecadinhos literários? Mas a penitência chegou ao fim, esse é o último livro do famoso best-seller de “pornô para mamães” que está na lista de mais vendidos desde que foi lançado no mundo todo para deleite de algumas, curiosidade de muitos e horror de outros. Não vou dizer que não tenha sido uma experiência antropológica, digamos assim, divertida, principalmente por fatores involuntários, e nem a certeza de que agora vou precisar de outra série ruim para ler pelo único objetivo de zoeira… (até porque o último livro de Fallen já foi lançado, tenho de ler depois).

Mas enfim, vocês podem ver minha travessia por inferno e purgatório aqui e aqui. Nesse último volume Ana, que deveria ter saído correndo, procurado atendimento psicológico para si e para Christian, ir viver sua vida ou sei lá aceitou um pedido de casamento feito depois de longuíssimos 45 dias de relacionamento. É, porque é muito sensato assumir um compromisso assim tão sério com uma pessoa que você conhece faz um mês e meio. Pelo menos na inspiração declarada Crepúsculo ainda se leva mais de ano para que Bella e Edward juntem os trapinhos. Só que ninguém nessa história é mentalmente são, vamos que vamos com essa história de casamento.

Leia mais deste post

Anúncios

Cinquenta Tons Mais Escuros – E. L. James

Avisei na resenha anterior: corra desse cara, Ana, que ele é cilada! Óbvio que ela não correu o mais rápido que conseguiu. Mas o mesmo se aplica para mim: sei que esse livro é cilada, mas lá estava eu lendo feito boba e escrevendo essa resenha para relatar a experiência para vocês.

Recapitulando, a série Cinquenta Tons é o sucesso editorial de todos os tempos da última semana. Conta a história de Anastasia Steele, uma moça bobinha, inexperiente e insegura que se envolve com o misterioso, problemático, lindo, tesão, bonito e gostosão (e rico, mui rico) Christian Grey. Nisso, nossa ex-virgem descobriu-se compulsiva por sexo, que é algo que o bonitão pode dar em abundância para ela, e assim segue a vida.

As novidades deste segundo volume são que o casal reata e começa a se conhecer melhor (porque, claro, eles só vão ter um diálogo honesto depois de meses de putaria extrema. Ninguém nem sabe qual o prato preferido do outro, qual matéria gostava mais na escola, essas coisas) (meu namorado teria problemas, acho que não tenho prato preferido. Qual é meu prato preferido? o.Ô). Agora estão num namoro firme e sério, ao contrário da relação de escopo meramente sexual que o sr. Grey pretendia no início. Mas como estava tudo tranquilo demais, agora temos um chefe tarado e uma ex-namorada louca na parada, para agitarem tudo!

Leia mais deste post

Cinquenta Tons de Cinza – E. L. James

Minha curiosidade literária me coloca em roubadas de vez em quando. Aliás, se forem pegar a lista de resenhas do site, dá pra ver algumas dúzias dessas roubadas, com resultados diversos. Quando comecei a ouvir falar de Cinquenta Tons de Cinza, pensei algo como: “corra, Bino, é uma cilada!”. Só que daí a febre foi crescendo, as pessoas foram falando mais, fui tendo mais informações e o bichinho da curiosidade começou a me picar. Ui.

Pensei que estivesse embarcando em mais um roubada, mas não: o livro é UMA DELÍCIA. Só que por motivos muito, muito errados (e nem tou falando da parte erótica, afinal, o repórter gostosinho tem lá sua razão).

Para quem não sabe ainda sobre o que se trata esse novo fenômeno editorial, é a história de Anastasia Steele, estudante, 21 anos, virgem, insegura e de baixa autoestima, que, às vésperas de sua formatura conhece o bonitão, gostosão e ricaço Christian Grey. Surge uma tensãozinha recíproca que evolui para romance, mas o sr. Grey é um camarada esquisito, desses que exigem que as pretendentes assinem um termo de confidencialidade antes de se entregarem aos seus encantos. Só que, ao contrário do que o leitor possa suspeitar, não se trata de uma ereção de 5cm – mas uma predileção por sexo sujo. E outras feridas emocionais que conheceremos, juntos de nossa inocente protagonista, que descobre ter uma periquita em chamas.

O livro é kitsch até a medula e um poço de humor involuntário. Sério, é o antídoto perfeito contra qualquer mau humor. A narrativa é ruim, o livro é mal escrito mesmo e a autora parece não estar nem aí, pelo contrário, é a lei do lulz. E pelo lulz, não dá para largar o livro até o final.

Leia mais deste post