Valhalla

chapecoenseO Valhalla é um dos paraísos do panteão nórdico, onde o guerreiros valorosos mortos em batalha poderiam divertir-se para sempre sobre as bênçãos de Odin, num eterno banquete com todas as diversões possíveis.

Hoje sonho com um Valhalla verde. Verde e branco. Com os cantos da torcida, o grito de gol, a alegria da bola rolando e toda a emoção de um vestiário em festa. Um estádio eternamente lotado, a glória perpétua, a alegria da conquista estampada no rosto.

Só há um jeito de ser jovem para sempre. Só há uma forma de ser jovem para sempre.

E dói em quem fica, obrigados a conviver com a perda, a saudade e a passagem do tempo. Talvez o pesado legado de assistir a passagem dos dias.

A quem parte, os campos eternos, onde já não existe dor.

E na dor, juntos quem ficou, nos abraçamos na mais profunda e sincera solidariedade. Às alegrias que nos deram, por nos ter feito acreditar em que tudo era possível, que qualquer um pode triunfar.

Histórias da Copa do Mundo

Espero que desculpem a falta de atualizações, mas estou usando um computador que tem birrinha com o WordPress, além de estar ocupada com os compromissos acadêmicos e com minha querida diversão que só acontece de quatro em quatro anos 🙂

Gosto do jogo futebol e da cultura futebol, que é tão atávica a nós e também tão menosprezada (talvez por esse atavismo tão forte, não sei). A Copa do Mundo, maior competição esportiva do planeta e que envolve rivalidades nacionais, locais, une países e orgulha nações, é riquíssima em histórias a serem contadas pelas gerações e hoje recomendo dois filmes.

O primeiro é o alemão O Milagre de Berna. Em 1954, havia uma grande seleção e um grande craque: a Hungria de Puskas. Era a favorita, ganhando partidas e encantando a Europa, mas havia um azarão em seu caminho: a Alemanha Ocidental, recém saída da guerra, humilhada, destroçada e deprimida. Os alemães surpreenderam e venceram o melhor time na final disputada na cidade de Berna, na história conhecida como milagre de Berna, elevando o moral nacional e trazendo alegria e esperança para seus torcedores.

O segundo, o estadunidense Duelo de Campeões, que trata da vitória dos EUA sobre a Inglaterra na Copa de 1950, partida disputada em Belo Horizonte. Os EUA eram uma equipe amadora formada principalmente por imigrantes, azarona, que fez o jogo de sua vida e ganhou o jogo da grande equipe europeia. Vale bem a pena. 🙂

***

Outro filme sobre o esporte – e sobre a África do Sul – que é um must see é Invictus, que trata da história da liderança de Nelson Mandela para o fim do apartheid e a copa do mundo de rúgbi que a equipe da África do Sul venceu invicta, unindo um país desunido por anos de um regime político cruel em torno de uma causa única e a esperança de dias melhores.

***

Algum dia ainda arrisco resenhas de filmes 🙂

E até a próxima!