Game of Thrones – Episódio 23: Walk of Punishment (HBO)

gotep23

Bom, além de escrever resenhas também leio outras opiniões por aí, né (até para ver se outras pessoas viram coisas que não vi, se não tou viajando demais, esclarecer algum ponto que gostaria de ver outras versões e tal). E podem ter certeza: esse episódio tem sua parcela de controvérsia. Na minha opinião, por uma série de motivos, um dos melhores dentre os 23 anteriores – e olha que vi várias opiniões divergentes por aí. Mas vamos à minha (e à de vocês que adoraria ver registrada nos comentários):

  • Esse episódio é um bom exemplo das escolhas narrativas que estão fazendo ao longo da série: algumas passagens (e diálogos memoráveis, como “Rhaegar era valente, Rhaegar lutou bravamente e Rhaegar está morto” vieram diretamente dos livros, outros, adições que realmente acrescentam e dão um tom extra ao material de base. E nesse episódio tivemos momentos sensíveis, cruéis, de terror, de drama, de comédia (pastelão e irônica)… Fora atuações muito inspiradas. Falar de Tyrion é chover no molhado, mas a atriz que faz Catelyn está arrebentando nesta temporada. As cenas que deram para ela são muito fortes e ela dá conta do recado. E tem uma bem forte neste episódio.
  • Finalmente conhecemos Riverrun/Correrrio, a terra natal de Catelyn. Como pularam o Blackfish antes, gostei da apresentação dele – e do estabelecimento de que Edmure não é mais do que o filho temporão que se torna herdeiro sem que tenha as melhores qualidades para tal e que o tio o julga com esta régua exata.  Para um personagem que foi introduzido agora (ou melhor, dois), foi deixado bem claro quem é e ao que veio. Objetivamente – tudo bem, objetividade retira nuanças, mas para mim funcionou.
  • Numa das cenas fofinhas do episódio (e da série), já que aqui demonstrações de carinho são raridade, é quando Hot Pie se despede de Arya e lhe dá de presente um pão em formato de lobo. É uma sequência muito bonitinha de despedida, com direito a elogios ao trabalho do padeiro. Esperemos que Hot Pie sobreviva às guerras, faça de sua padaria um sucesso e viva dias de prosperidade.
  • Outra cena que me chamou bastante a atenção, até mesmo pelo uso do silêncio em TV, foi a da dança das cadeiras na reunião do Conselho Real. Uma cena longa, sem diálogos, mas extremamente expressiva: demonstrou a personalidade de todos envolvidos – de Littlefinger que não se importa de atropelar os outros para estar mais próximo do poder; de Cersei que quer sentar-se à direita do poder e de Tyrion que quer ser um igual ao poder. Mais clara do que horas de falas…
  • E pra mim a MELHOR PIADA DA SÉRIE TODA (e a cena mais controversa de hoje): a protocolar cena de mulheres nuas, mas num contexto hilário. Pod, o escudeiro, salvou a vida de Tyrion e ele quer dar um presente inesquecível para o pobre menino tímido e virgem. Para isso, precisará da ajuda de suas conhecidas amigas – apesar da exposição gratuita de peitos e do corpo feminino (e vamos ser sinceros, não é um problema do seriado, é um problema de TODA a mídia) achei a cena ENGRAÇADÍSSIMA. Além da piada para os die-hard fans da série (“ela é uma das quatro mulheres do mundo capazes de executar o Mereenese Knot” – EU GARGALHEI nessa hora). A conclusão da cena e o diálogo entre Tyrion, Bronn e Pod também rende ótimos momentos. Sério. A melhor sequência de humor escrachado – e Westeros precisa de um pouco de bom humor e acontecimentos leves para contrabalancear com a merda generalizada na qual todos vivem, alguns mais e outros menos. Sinceramente, não aguento ver só desgraça na vida dos personagens, já bastam os livros. Ainda mais o Pod, um dos personagens mais zoados internet afora e um dos mais fofinhos.
  • Se no episódio passado reclamei da cena de Sam, nesse reclamo da cena de Jon. Acho que poderia ter sido no episódio passado, ou no que vem, sem maiores prejuízos. Serviu como gancho para a cena seguinte com Sam, que, junto com os corvos sobreviventes, chegou à casa de Craster. E aqui temos um dos temas do episódio: o abuso. Por parte de Craster em relação às esposas/filhas/escravas, à situação como elas vivem, à forma como a Patrulha precisa dele naquele momento para sobreviver (e imagino encontrar a menina por quem você alimenta uma linda paixão juvenil em momentos de dor e desespero…).
  • Nesse mesmo sentido, Theon escapa, é capturado, mas salvo pelo estranho de olhos azuis. Está aí para quem quiser ver o que é um estupro: uma relação de dominação, de mostrar para ele que foi dominado por seus captores, subjugado fisicamente. Mas alguém que sabe usar um arco, ao contrário de outros personagens, aparece e o salva… Mas é bom se apressar, pois o inverno está chegando.
  • Por fim, o relacionamento entre Jaime e Brienne – ele se preocupa com o fato de que, como bem colocado pelo próprio, ela será estuprada e provavelmente morta e, dentro de seu cinismo, dá conselhos sinceros para que ela passe por isso. “Se fosse mulher, não iria reagir?”. “Se fosse mulher, preferiria morrer, mas graças aos deuses não sou”. É uma época muito, muito difícil para mulheres, afinal (e que dialoga um pouco com a conversa entre Dany e Missandei – sim, homens morrem na guerra, mas elas não são homens). E o kingslayer, percebendo que testemunhará um estupro e tem alguma empatia por sua captora, tenta, na conversa, impedir os homens. Mas haverá um preço a pagar. Um preço muito caro – e concordo com o que Locke diz, é tendência dos Lannister usarem-se do dinheiro da família para se livrarem de seus problemas. Só que papai não tá do ladinho para socorrê-lo em seus problemas imediatos. Muito menos quando… PÁ! E troca-se para a música do episódio (The Bear and the Maiden Fair) em versão punk rock alegrinha para deixar o contraste de sensações ainda mais forte. Tem que não tivesse gostado, mas achei que a música com clima completamente diferente do episódio ajudou a reforçar o choque da cena final. E agora, como todos ficarão?
  • E um P.S., que acho bem interessante: a própria música fala de um estupro, da mocinha que não resiste aos avanços de um homem selvagem. Super romântico, como toda Westeros… 😦

Até a próxima!

Anúncios

5 Responses to Game of Thrones – Episódio 23: Walk of Punishment (HBO)

  1. Bruno says:

    Quero aprender esse tal Mereenese Knot… : P

  2. Nabila says:

    Gostei bastante do episódio. Comecei a ler o livro! Fui apresentada ao Black Fish antes um pouco do episódio. Achei uma boa apresentação na série, que retrata bem a personalidade dele.

    Não sabia que essa música do final era real. Quebrou o climão! Li em alguns lugares que tinham uns torrents zoados e acreditei.

  3. Laura Abreu says:

    Achei o episódio lento, comparado aos primeiros, mas muito importante, já que a partir daqui muita coisa muita no desenrolar da história. As cenas da dança das cadeiras e a do arco em total silêncio foram fantástica, mas meio agoniantes!… Falando nas cenas de Westeros, quando Pod, chega e devolve o saco de moedas de ouro e Tyrion, Bronn, o perguntam pq de voltar com o pagamento, e no estilo clássico de mulheres começam a “fofocar”, foi ilaria.. enfim 3a temporada está sendo show!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: