Cinquenta Tons do Sr. Darcy – Emma Thomas

50-tons-darcyÉ uma verdade universalmente reconhecida que um clássico gera o desejo da iconoclastia. Aliás, essa iconoclastia é até mesmo saudável, pois obras e conceitos intocáveis não são nada saudáveis – e para que a quebra seja eficiente, quem a faz deve conhecer a obra original para tal.

Orgulho e Preconceito é uma das obras mais importantes da literatura inglesa. Um jovem provavelmente lerá o livro no colégio em países de língua inglesa, inclusive (e será que pegarão a ojeriza aos clássicos tão comum entre os alunos pátrios?). É muito mais do que um romance: é o retrato e crítica social de uma época que aparenta ser tão glamourosa, mas que continua se aplicando aos dias atuais, como o peso da conta bancária de alguém, prestígio social, preconceitos à primeira vista e mal-entendidos.

E como todo clássico, é constantemente renovado, tanto pela adaptação para outras mídias (tem ao mínimo três versões em filmes/séries de TV, incluindo uma muito clássica da BBC) quanto por recontagens (por incrível que pareça O Diário de Bridget Jones é uma versão moderna da obra) e paródias (como a precursora da onda de mashups Orgulho e Preconceito e Zumbis). Acho todos os casos válidos, pois é assim que o clássico se mantém vivo, não imutável e encostado na parede pegando poeira, traça e teia de aranha.

A proposta da autora (bom, é um pseudônimo, mas como é um personagem feminino referirei-me a ela assim) é parodiar e em paródias nada é sagrado. Ainda mais com a segunda intenção (hein hein) dela, que é mostrar por contraste o quanto Cinquenta Tons de Cinza é ruim. Acho que não preciso apresentar o segundo livro, não é mesmo? O fenômeno editorial de 2012, o livro erótico que conquistou as mulheres que não querem o estigma de literatura de banca, amado e odiado. Assim sendo, Lizzie Bennet e Fitzwilliam Darcy assumem os papeis de Ana Steele e Christian Gray em pleno ano de 1812.

O livro não tem pretensão alguma de seriedade: é propositadamente anacrônico (com direito a personagens que comem doritos e fazem referências moderninhas), a grande maioria das frases é de duplo sentido, bem como os nomes dos personagens secundários, as situações são o mais absurdas possíveis. E os acontecimentos dos dois livros se mesclam, mostrando principalmente a fraqueza narrativa do segundo.

E esse escracho é a melhor parte: mostrar personagens fracos, trama boba, vícios de escrita piores ainda. Aliás, a melhor forma de definir o livro é essa: escracho (o que me faz crer que a pessoa dona do pseudônimo é americana, pois o humor inglês é muito mais autodepreciativo e sutil), uma versão literária de um Todo Mundo Em Pânico, com um resultado até bem engraçado. Temos até mesmo a volta do crocantíssimo sexo com frango!

Para relaxar, desligar da realidade e tudo, é uma ótima opção, mas algo em mim se incomodou profundamente a ver um casal protagonista tão forte reduzido a personalidades rasas e patéticas. Mas tudo bem: intencionalmente ou não, é um livro que realça o grande abismo existente entre um clássico e uma modinha literária pronta a ser esquecida.

***

Até a próxima!

Anúncios

3 Responses to Cinquenta Tons do Sr. Darcy – Emma Thomas

  1. Não tem sexo com frango nas tags? XD

  2. Pingback: Orgulho e Preconceito – Jane Austen | Leitura Escrita

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: