Distúrbio – Valentina Silva Ferreira

Ao contrário do que a capa pode dar a entender, este não é um livro de terror. Ou melhor, este é um livro sobre o pior dos terrores, aquele estritamente preso na realidade, que pode estar escondido atrás de cada porta e sorriso social.

Este é o romance de estreia da jovem autora portuguesa Valentina Silva Ferreira e é uma trama contemporânea, passada em Portugal (inclusive, como não poderia deixar de ser, tendo sido mantido o português português), e conta a história de Rossana, uma menina muito bonita e rica, mas que ao contrário da vida de fachada que parece ter e que é invejada por colegas e conhecidos, vive o inferno todos os dias. Desde a infância, é abusada física e psicologicamente pela mãe – que tem algum grau de sociopatia muito alto, diga-se de passagem – que, com inveja da beleza da filha, quer lucrar tornando-a modelo e extingui-la, para que ela possa ser por fim a mais bela (tem um equinho de Branca de Neve aqui, mas não há anões ou príncipes nessa história, apenas a inveja da beleza que vê outra florescer). Não bastasse isso, a esses abusos se juntam as sevícias sexuais praticadas pelo pai da menina, que não tem muito para onde correr.

Distúrbio parece um nome bastante adequado para o livro, pois a obra é profundamente perturbadora, dando aquela agonia de contar o que se passa nos segredos de uma família que quer passar a imagem de exemplar, mas está muito longe de ser saudável. A cada minuto, a vontade de entrar no livro, de tirar Rossana dali, de ligar para o Conselho Tutelar e pedir para resgatá-la, de dar uns tapas na cara deste ou daquele adulto que estão próximos, poderiam fazer algo e não o fazem. É torcer para que ela tome uma atitude, reaja, fuja de casa, procure a polícia, mas ao mesmo tempo saber que é refém do comportamento doentio dos pais e nada há que se fazer a respeito.

Claro que numa trama como essa, a tragédia vai piorando de segundo a segundo, bem como Rossana vai sendo morta aos poucos pelas circunstâncias e por outras coisas más que elas acabam por atrair. Até mesmo aquilo que deveria ser bom em sua vida torna-se veneno e tudo é uma caminhada inexorável para sua completa destruição.

(aqui entra só uma criticazinha: o fato do sadismo da mãe e os abusos do pai sobre Rossana nunca darem errado. Apesar deste e daquele personagem suspeitarem de alguma coisa, alguns adultos em posição de poder que poderiam fazer algo parecem não notar nada de estranho. Fora isso, Rossana não parece sofrer muito os efeitos físicos de todo o mal aplicado sobre seu corpo, mas detalhes).

O pior de tudo desse relato perturbador? A realidade. A cada página, lembrava das Rossanas que conheço da vida real: que não sofreram/sofrem todo aquele mal concentrado, mas vivem em terror psicológico, com abusos das pessoas que deveriam ser aquelas a protegê-las, presas em famílias doentias e que não sabem que podem pedir ajuda. Ou também daquelas de desconheço, como as meninas arrastadas pelas mães pela coisa pavorosa que são os concursos de pequenas misses (nunca me esqueço de um programa onde a mãe levava uma bebezinha de pouco mais de dois anos em um desses. A menina pegou birra o tempo inteiro, dava para ver que a roupa incomodava, que a situação era desagradável para ela. A mãe, perguntada se a filha gostava da atividade, respondeu de pronto: “ela adora!”), ou que, sofrendo abusos sexuais do pai, sofrem novamente com a conivência da mãe, muitas vezes para não prejudicar seu casamento ou imagem social. Talvez esse seja o pior ponto do livro: saber que pode haver uma Rossana (ou uma Perpétua, ou um Carlos) atrás de cada porta da vizinhança.

Um P.S.: Este livro, da maneira como é encaminhado, impossibilita um final feliz. Só que quem quer ver uma história com um final mais ou menos feliz com o mesmo tema, recomendo o filme Preciosa. É sobre uma menina em outro contexto social e em tudo oposta à Rossana – é negra, pobre, obesa e moradora dos subúrbios de NY, mas igualmente abusada pelos pais. E, infelizmente, dividem com outras tantas meninas, reais e imaginárias, a mesma história…

***

Curioso pelo livro? Tente aqui (Livraria Cultura)

***

Até a próxima!

Anúncios

10 Responses to Distúrbio – Valentina Silva Ferreira

  1. Alliah says:

    Quando o li o conto da Valentina em “Cursed City”, pensei: “Cacete, essa menina tem um puta domínio da linguagem! Preciso ler mais coisas dela!”. Daí veio esse livro e eu prontamente coloquei na lista de aquisições. Com essa resenha, a prioridade só aumentou (:

    Btw, Preciosa é um dos filmes mais fudidamente fodas que eu já vi, EVER. Me causou dor e desconforto o tempo inteiro. E em algumas partes, chorei que nem criança. No final, ficou uma agonia que eu não sei bem se era boa ou má. Essas histórias são muito soco no estômago…

    • Taí a oportunidade 😀

      Mas sim, Preciosa não é um filme leve e o final é bem o retrato do que quis dizer na resenha… Ela conseguiu se libertar do ciclo de opressão, com sequelas mas conseguiu, só que e todas as outras milhares ou milhões de Preciosas que estão por aí? =/

  2. Valentina Silva Ferreira says:

    Obrigada pela resenha 😀 Fiquei muito feliz. Relativamente às críticas – gosto tanto quando as fazem – foi um pouco propositado o facto de ninguém fazer nada. A minha intenção era mesmo fazer o leitor questionar o porquê de ninguém agir. É assim na vida real. As pessoas conhecem casos desses e ficam caladas. E eu queria deixar isso marcado no livro. Você é a primeira pessoa que se interroga em relação a isso 🙂

    Alliah, até fiquei sem jeito rs. Obrigada de coração.

    Beijos.

  3. Celly Borges says:

    Obrigada pela resenha mocinha =)

  4. Arisa says:

    Achei interessante. Me lembrou o livro Living Dead Girl, de Elisabeth Scott, quanto às sensações desagradáveis que se sente durante a leitura e o fato de pessoas que podiam fazer algo não agirem. Geralmente eu evito livros mais pesados e realistas como esses, mas de vez em quando acho até necessário pegar um pra ler, afinal o mundo real não é feito de aventuras fantásticas e finais felizes. Já está na minha lista de livros para comprar.

  5. Pingback: Retrospectiva 2012 « Leitura Escrita

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: