Clarissa – Érico Verissimo

A adolescência é uma fase peculiar da vida e essa transição entre a infância e idade adulta ganha contornos diferentes de acordo com cada época. Aliás, a transição entre o infantil e a maturidade pode ser vista não apenas em termos biológicos, mas também em outros lugares: o urbanismo (no começo das grandes cidades as coisas eram muito mais românticas e simples do que no caos megalopolitano de hoje, o encanto de ir ver um filme no cinema ou fazer o footing no fim da tarde existiam, assim como uma proximidade entre vizinhos que parece impensável nos dias de hoje) ou mesmo o caminho entre os primeiros trabalhos de um autor e aquelas que seriam suas obras-primas.

Clarissa é o livro de estreia de Érico Verissimo e ambos, criador e criatura, possuem muito em comum: ela é uma mocinha sensível, ingênua e sonhadora que saiu da estância da família, no interior, e foi fazer o curso normal em Porto Alegre, na década de 1930 (a cidade não é citada em nenhum ponto do texto, mas por vários elementos textuais, como expressões regionais e referências ao seu lugar natal é fácil inferir). Lá, ela mora na pensão da tia e vemos o dia-a-dia tanto da menina que descobre aos poucos, e não sem surpresas e choques, o mundo adulto, quanto dos demais moradores da pensão e seus vizinhos, de idades e ocupações variadas na vida.

Os tipos que rodeiam a vida de Clarissa são vários: a própria tia Zina, dona da pensão e que precisa organizar os negócios, a própria casa e cuidar da sobrinha; universitários entre os dedicados e os que levam a vida na festa; aposentados e assalariados. Todos eles atenciosos e solícitos com a jovem hóspede e povoando seu mundo de sonhos e divagações.

Temos também o sorumbático Amaro, bancário e músico amador que fica pelos cantos curtindo sua tristeza e fazendo um contraponto à alegria juvenil de Clarissa: enquanto ela vive num mundo colorido de descobertas e surpresas, ele parece ter sido derrotado pela melancolia. Talvez seja exatamente a luz dela que o atrai, como vemos em seu ponto de vista, numa tentativa de resgatar o sonhador que já habitou nele.

É bom que se diga ainda que esse é um livro sobre o cotidiano, no espaço de algumas semanas na vida de Clarissa. Não há acontecimentos bombásticos, reviravoltas e surpresas: há a vida real e seus pequenos fatos, como um almoço, uma prova na escola, uma tarde ensolarada e um aniversário. São as coisas pequenas, as miudezas da vida, que  compõem esse retrato do dia-a-dia de uma adolescente numa cidade que também floresce aos poucos.

(e, um último comentário, interessante pegar o primeiro livro de um mestre e pensar o quanto amadureceu em estilo e temática ao longo dos anos, que mesmo os grandes tem de começar de algum lugar, né?)

***

Interessou-se pelo livro? (Submarino)

***

Até a próxima!

Anúncios

12 Responses to Clarissa – Érico Verissimo

  1. Alexandre says:

    O último parágrafo me chamou a atenção. Fica a pergunta: pretende encarar O Tempo e o Vento aqui no blog?

    • Olha… Penso em encarar Incidente em Antares, O Tempo e o Vento fica entre preguicinha e livros demais vida de menos…

      • Bruno says:

        Incidente em Antares é bem bacana, recomendo. Zumbis before it was cool, Érico Veríssimo era um mestre e visionário, heheh =P

      • criscatbr says:

        “Incidente em Antares” é muito bom. Gostei demais do livro.
        Porém foi “O tempo e o vento” que fez eu me tornar fã de Érico Veríssimo. É longo, eu sei. Dá preguiça só de pensar em iniciar. Mas a leitura vale muito a pena. Vale o desafio de encarar uma obra tão extensa.
        (e quem encara “Game of thrones” nem tem essa desculpa)

      • Ok ok ok, vcs venceram!

  2. Daniela says:

    Olá.

    Muito boa a sua resenha. Sabe que Clarissa eu ainda não li, mas gosto muito do Erico e já li alguns dos seus livros. Estou agora lendo o Tempo e o Vento. Reli os dois volumes de O Continente e estou lendo jó o segundo volume de O Retrato. É bem diferente de Clarissa. São livros maravilhosos.

  3. Pingback: Desafio Literário 2012 « Leitura Escrita

  4. talkativebookworm says:

    Eu ainda acho ‘Música ao longe’ o melhor do ciclo da Clarissa (que ainda tem o ‘Olhai os lírios do campo’ e ‘Saga’), mas esse primeiro é fofo.

  5. Gabrieli says:

    Sera que alguem poderia me passar um resumo com mais detalhes, eu nao consegui retirar o livro e tenho um trabalho pra terça…… se alguem puder agradeço o.o

Deixe uma resposta para Ana Carolina Silveira Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: