O papel aceita tudo…

Quarta-feira de cinzas, todo mundo com aquele climão de ressaca (convenhamos que mesmo quem não gosta de carnaval gosta de feriados, né?) e retomamos os trabalhos do blog! Hoje, para dividir um pouco de revolta…

Passeando pelo twitter, vi a seguinte foto sendo retuitada. Fiquei horrorizada com o conteúdo. Como um livro na sessão infantil pode trazer uma “dieta especial para meninas”? A paranoia de dietas da nossa sociedade precisa começar ainda mais cedo do que ela já começa? Claro que a editora lança o material porque existe demanda, mas há pais que permitem que suas filhas comprem esse material e comecem dieta em plena fase de crescimento?

Fui pesquisar sobre o livro e achei a sinopse:

“Alimentar-se bem, estar com saúde e feliz consigo mesma: três coisas que pareciam inalcançáveis, não é mesmo? Agora não mais! Finalmente uma proposta fácil, realista e só para garotas. Pois Daphne Oz é uma garota como você e sabe do que está falando. Mesmo vindo de uma família de especialistas em nutrição, Daphne teve problemas de sobrepeso durante a adolescência e não conseguia terminar nenhuma dieta. Com a ajuda desses excelentes conselheiros e baseada na própria experiência, descobriu um novo enfoque para controlar o peso. Agora os segredos de Daphne estão ao seu alcance. Você vai criar um estilo de vida próprio e saudável, que vai servir para a vida inteira”.

Só eu que acho isso errado? ÓBVIO, LÓGICO E EVIDENTE que o blog apoia a alimentação saudável, a realização de exercícios físicos regulares e a saúde de seus leitores. O blog também reconhece que a obesidade – OBESIDADE – infantil é um problema de saúde e que vai muito mais longe do que “comer errado” – passa por falta de cuidado alimentar, pelo desleixo de pais que preferem a opção fácil dos salgadinhos e refrigerantes, pela confusão entre afeto e alimento que faz pais socarem comida em crianças ou deixá-las comerem o que quiserem… é bem complexo.

Só que o blog também não ignora outras coisas, como a pressão social de que uma mulher se mantenha magra, de preferência com o perfil famélico de uma modelo de passarela. Não estou fazendo apologia da obesidade, o que é uma coisa bem diferente, mas todos sabemos da paranoia que se aplica a mulheres para que sejam magras, comam pouco, tomem adoçante, vivam de dieta… e me dou de cara com um livro que ensine isso a garotas de dez, doze anos???? Notem bem: é uma dieta para garotas, ou seja, mulheres. Não é um livro para auxiliar crianças (meninos e meninas) obesas em tratamento médico a se reeducarem, é para garotas fazerem dieta e serem magras, bonitas e felizes (e só se pode ser bonita e feliz sendo magra? É preciso mesmo ensinar isso às garotas?).

Talvez o meu choque maior seja esse mesmo. Um livro direcionado para meninas para ensiná-las desde cedo essa equação de magreza, beleza e felicidade.  E existe maneiras diferentes de meninas e meninos emagrecerem? Alguma coisa que passe longe de alimentação saudável e prática de exercícios físicos?

E depois há quem ache que vários dos discursos do feminismo são viagem…

***

Até a próxima!

Anúncios

4 Responses to O papel aceita tudo…

  1. Sociedade: fazendo a mulher se sentir frustrada consigo mesma por não ter a aparência-padrão (e não, digamos, por não ser inteligente ou agradável de se conviver) desde… hum, muito tempo. 😛

  2. Alliah says:

    Sabe o que isso me lembra? Aqueles concursos de beleza para crianças. Bem, eles não usam a palavra “criança”, né. É concurso para meninas, escondidas debaixo de quilos de maquiagem e cabelos ultra-mega-tratados-penteados-laqueados, que ficam parecendo mulheres anãs.

    Dieta pra criança, concurso de beleza pra criança, padrões machistas de corpo e sexualidade pra crianças… TÁ TUDO ERRADO, GALERO, DÁ REBOOT NO SISTEMA AÊ

  3. Suely Ramos says:

    Seu comentário é equilibrado. Todas as pessoas (sejam de qualquer sexo) devem cuidar da saúde, física e mental. Alimentar-se bem, buscando uma dieta saudável é bom para qualquer pessoa (criança ou adulto).
    A imposição de padrões é que é ruim. Quem não está no padrão é taxado como esquisito, feio, desleixado, etc.
    É importante a reflexão sobre o tema e que todos sejamos respeitados, independentemente dos ditames da moda, dos padrões das mídias (“poposudas, esquálidas, loiras, morenas, mulatas”).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: