A Dance With Dragons – George R. R. Martin

(Primeiro, primeiríssimo, antes de qualquer coisa nessa resenha: esse é o quinto livro da série A Song of Ice and Fire, então se você não leu os outros quatro, é possível que fique perdido ou descubra coisas que não desejaria descobrir agora, apesar de que peguei leve com os spoilers. E se você só viu o seriado, não recomendaria começar o quinto livro, principalmente porque você não vai entender NADA do que está acontecendo, no máximo se lembrar de nomes conhecidos. Tem várias outras resenhas legais aqui no blog, pode procurar alguma ao seu gosto, caso se sinta incomodado por isso).

A Dance With Dragons, quinto livro da série A Song of Ice and Fire, tem uma história fora do livro que merece ser contada antes da resenha: George R. R. Martin publicou o terceiro livro da série, A Storm of Swords (ou A Tormenta de Espadas), em 2000, contando que daria um salto de cinco anos na cronologia da trama e que o próximo livro (que seria o A Dance With Dragons) já começaria após esse cinco anos, onde todos os personagens que tinham sido colocados em posição de aprendizado ao fim do terceiro livro teriam tido tempo para se adequarem às suas novas funções e os protagonistas estariam mais velhos. Só que… não foi bem isso o que aconteceu. Adiantar a história em cinco anos provocaria SÉRIOS PROBLEMAS de continuidade, além de requerer vários e vários flashbacks – então a única solução possível era continuar a narrativa do ponto onde ela tinha terminado no terceiro livro, sem avanços na cronologia.

Esse trabalho não foi tão fácil e simples como o autor esperava, entretanto. Para começar, houve a decisão de lançar um quarto livro, que cobria os personagens na parte centro-sul de Westeros primeiro e, depois, outro livro para tratar dos personagens no norte e no continente de Essos. Isso também daria tempo para resolver aquele que era seu maior desafio – fazer com que alguns outros personagens fossem atrás de Daenerys e se encontrassem com ela, coerentemente.

Em 2004, então (sigam a cronologia), foi lançado o quarto livro da série, A Feast for Crows. Esse é um livro dúbio para os fãs, há quem o ame, há quem o odeie – e é meu livro predileto, de longe. Talvez o motivo da controvérsia foi que personagens populares como Dany, Jon e Tyrion não apareceram aqui, além de não haver exatamente ação e algumas das tramas terminarem em cliffhangers especialmente cruéis… Mas George R. R. Martin prometeu que em 2005 ele lançaria A Dance With Dragons, com os personagens faltantes, e a saga seguiria normalmente…

Acontece que o livro NÃO FOI lançado em 2005.

E HAJA ANSIEDADE. Havia quem dissesse que o livro não sairia nunca. Outros, que era culpa de um bloqueio criativo difícil de passar. Outros, que o autor passava tempo demais em seus outros projetos. Mas, coincidência ou não, veio o seriado Game of Thrones e não dava mais pra cozinhar o galo, né.

O livro foi finalizado em março, para alegria dos fãs 🙂 E lançado em 12 de julho de 2011.

Os primeiros dois problemas do livro surgem daí: parece que foi um livro que faltou acabamento, lançado às pressas (seja para pegar o vácuo da série de TV, seja porque deve ter chegado num ponto que o próprio autor queria ver-se livre desse peso e pronto). A história não parece totalmente arredondada, algumas frases e passagens soam como se merecessem um trabalho maior que não houve. O texto parece não cru, mas que não terminou de assar direito, algo como um bolo solado.

O outro problema, esse muito mais grave, diz respeito às expectativas, individuais e coletivas, sobre o livro. Depois de seis anos de espera (ou onze, se contar a espera pela continuação da história de Tyrion, Jon e Dany), inúmeras teorias passadas e rebatidas nos fóruns da internet, era um livvro bastante esperado e havia um certo ânimo geral no sentido que a história andasse, ou que estivesse em algum ponto intermediário entre o livro 3 e o livro 4.

Mas isso não aconteceu. Foi um livro abaixo das expectativas (se reais ou não pelo tempo de espera, são outros 500).

O A Storm of Swords, como livro, tem uma vantagem: ele simplesmente não para! Todo capítulo, uma reviravolta, todas as linhas narrativas avançam e nenhum personagem termina com o mesmo status que começou. Além disso, a história contada no livro (as últimas batalhas da Guerra dos Cinco Reis e suas consequências, com direito a várias baixas e alternância de poder) se fecha em si mesma, com uma conclusão satisfatória, ainda que momentânea, para todas as tramas. É o fim de um primeiro ato, construído do primeiro livro até ali, e uma obra fechada em si mesma e bastante auto-satisfatória. É o livro que te ganha para a série, se o destino dos Stark, Lannister e Targaryen não tiver apelo o suficiente.

O A Feast for Crows, apesar de controverso, é o livro mais belo da série. Não é um livro fechado em si mesmo (na verdade termina com cliffhangers muito safados), mas há dois discursos que o permeiam que, para mim, tornam esse o livro com valor literário de toda a série. É um LIVRAÇO, um dos melhores que já li sobre a melancolia do povo que tem de pagar pelos desvarios de seus governantes, bem como pela alternância da busca e da perda da identidade pessoal – além de ser absurdamente bem escrito, na parte técnico-linguística da coisa.

Eu esperava do A Dance With Dragons ao menos uma junção dessas duas coisas, que não aconteceu. Aliás, além da trama em si mal andar (tudo bem que ainda estamos no início do segundo ato da saga e as peças do tabuleiro estão sendo remanejadas), há vários capítulos desnecessários, que servem mais para enrolação pura e simples do que para avançar a trama. Na verdade, daria para de 1/4 a 1/3 do livro ser cortado sem dó nem piedade sem prejuízo para a compreensão e andamento da história – para uma espécie de “masturbação fanboy” podem até ser úteis, mas só tornam as tramas principais do livro maçantes (cada vez que via um Tyrion, Jon ou Dany no alto duma página, salvo raras exceções, respirava fundo porque a coisa tava feia). Tirando alguns subplots muito específicos, a trama geral do livro não tem começo, meio e fim: é tudo um meio, um corredor para algo maior que deve (e espero sinceramente) vir no sexto livro.

Sobre a trama em si, evitando spoilers, as consequências dos fatos derradeiros do terceiro livro para os personagens que não foram visitados no livro anterior começam a aparecer. Para alguns, a transição de “enfant terrible” para adulto não passará sem dor e sem marcas, outros descobrirão que de boas intenções o inferno está cheio – e que elas poderão alimentar mais ainda suas chamas. Alguns partem em viagens desastradas para a busca de tesouros perdidos, outros assistem tramas insidiosas de vingança. E a melhor trama, sem dúvidas, é a expiação de um antigo vilão – que são talvez os capítulos mais visualmente fortes de toda a saga, mas que fazem valer o livro.

Enfim.

Para mim, foi o mais fraco dos livros da série, não sei se pela expectativa individual e coletiva criada, pela falta de acabamento ou se pelas tramas que acabam se arrastando. Os únicos capitulos que me deixaram realmente de cabelo em pé foram o último e o epílogo – não dá para explicar por que sem spoilers, mas basta dizer que uma coisa pela qual eu esperava MUITO aconteceu em um deles e outra que eu JAMAIS poderia prever aconteceu no outro.

 

Outra coisa: com o desfecho do livro (e com a enrolação da desgraça que foram vários capítulos), não creio que a saga feche em sete livros. Prevejo de antemão um oitavo e quiçá um nono, porque tem MUITA COISA que não chegou NEM PERTO de se encaminhar ou fechar, fora personagens que precisam ser reinseridos na trama principal e não sei como isso poderia ser feito.

Nos vemos novamente com The Winds of Winter, que acho (e espero na sinceridade!) que não vai demorar seis anos para ficar pronto.

Até a próxima!

***

Quer ler o livro também? Então let’s go! (Livraria Cultura)

Anúncios

15 Responses to A Dance With Dragons – George R. R. Martin

  1. Lucas Rocha says:

    Foi bem triste ter que passar por esse livro inteiro só com um ou dois ‘oooohs’… esse livro prometia ser um livraço, mas acabou sendo só um livrão pra usar de batente na porta :~

  2. Paulo Gesse says:

    Esperei tanto esta resenha! Nem acredito! Já leio e logo mais comento, inacreditável! Volto já para comentar mais

  3. Paulo Gesse says:

    Então, concordo com tudo e teria mais algumas coisas a acrescentar, mas não queria entregar mais do que a autora da resenha. Agora “início do segundo ato’? Se entendi corretamente esta valsa com dragão, em minúsculas mesmo, seria a segunda de três partes em que inicialmente a história seria contada.

  4. Bruno says:

    Nádegas a adicionar, acho que tu resumiu bem o meu sentimento a respeito do livro também. Por tudo o que ele criou de expectativa de ver o enredo se mover e as coisas acontecerem, foi um tanto decepecionante sim, embora eu entenda as razões da maioria dos seus problemas também. Mas foi bom reencontrar o mundo e os personagens depois de tanto tempo, de qualquer forma.

    Agora é aguardar o The Winds of Winter… Até 2017 então. =P

  5. Elton says:

    Isso também se o autor não morrer. Já é difícil crer que ele dure até o prometido sétimo e último livro! Imagine se suas previsões de concretizem e sejam necessários mais dois volumes? Só psicografando…

  6. Pingback: A Dance with Dragons e uma enxurrada de flashbacks de Wheel of Time « Nerdquest e outras maneiras de ganhar XP

  7. Douglas says:

    Acho que o Bruno resumiu bem: foi muito bom reencontrar o mundo e as personagens. Mas o livro ficou dentro das expectativas, considerando AFfC. Apesar disso, o livro é repleto de momentos decisivos! Mesmo que por vezes a narrativa pareça incompleta, ao término do livro não conseguia parar de pensar que foi simplesmente sensacional. Jon amadurecendo e entendo que não deve mais ignorar seu passado, e assumindo as consequências. Tyrion aceitando a si mesmo e quão baixo ele pode chegar. Theon e seu sorriso em sua última aparição no livro… Além de Wyman Manderly e suas tortas, outro ponto alto do livro! Fora Dany, Bran, Victarion. Martin parece estar preparando um último suspiro de Westeros antes de um mergulho profundo.

  8. ISSO! PELA MORDEDEUS, NAO AGUENTO MAIS NAO DEBATER OS ULTIMOS CAPITULOS!!

  9. Pingback: Retrospectiva 2011 « Leitura Escrita

  10. Pingback: A Dança dos Dragões – George R. R. Martin -Tradução, lançamento e crítica « Leitura Escrita

  11. Pingback: Expectativa e Decepção | Leitura Escrita

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: