Ponto e Vírgula

Estou ligeiramente ocupada garantindo o leitinho das crianças.

Dando tudo certo, semana que vem tem atualização aqui 🙂

Não percam!!!

Anúncios

Eragon – Christopher Paolini

Tenho pé atrás confesso com modinhas, ainda mais quando escuto opiniões divergentes e a própria proposta da coisa não me chama a atenção. No auge do Harry Potter, muito se questionou qual seria seu sucessor. Um dos “prováveis sucessores do Harry Potter” da vez foi Eragon – que saiu no Brasil mais ou menos na época em que foi anunciado a produção de um filme baseado na obra.

A história simplesmente não me interessou a princípio e continuou a não me interessar. Sempre torci o nariz, achando que não seria uma história de meu agrado, que o tempo gasto para lê-la poderia ser investido de maneira mais útil lendo coisas que fossem mais ao meu gosto. Só que alguns amigos, surpresos por eu ter lido Crepúsculo – e não desgostado -, alguns até com experiência de leitura, me disseram: “Por que não ler Eragon? É divertido e descompromissado – e mais satisfatório do que Crepúsculo”. Um dia, passeando pelos sites online, vi uma oferta imperdível: a saga inteira por R$29,90. Pareceu um preço justo pela curiosidade, então encomendei.

Resolvi ler Eragon, o primeiro da saga, de coração aberto, não esperando uma obra genial e revolucionária, mas diversão leve e despretensiosa.

Então comecei a ler a história de um mundo onde humanos, elfos (que vieram do… oeste, oh god), anões, orcs e nazgûls urgals e raz’acs convivem entre si. O mapa traz indicações a lugares como Eldor, Ardwen, Melian… Bom, sinto que já ouvi algo parecido em algum lugar, alguma vez…

Este é o mundo de Alagaësia, onde um anel foi forjado e agora precisa ser destruído nas montanhas de Mordor anos atrás, havia uma ordem de cavaleiros jedi místicos que controlavam seus dragões, detentores de um grande poder. Só que um destes cavaleiros, Galbatorix, perdeu seu dragão e, com a ajuda de um desertor, eliminou todos os demais cavaleiros-dragões, tornando-se o Imperador tirânico e despótico.

(a partir daqui, spoilers, ok?)

Entretanto, alguns ovos de dragão escaparam do massacre e um deles conseguiu ser enviado para um lugar seguro. Eragon, um jovem garoto órfão, criado pelos tios em uma fazenda, que desconhece seu próprio passado, encontra o ovo, que choca, revelando a existência de Saphira, uma dragoa azul que acabou de nascer mas tem personalidade de adolescente. Suas mentes se ligam e Eragon é revelado como um cavaleiro-dragão, o primeiro em séculos.

Então, guiado por Brom, aparentemente um bardo, mas um mago experimentado e repleto de conhecimentos, começa sua jornada do herói através do mundo de Alagaësia, para se encontrar com os Varden, uma facção rebelde que desafia o Imperador.

Lá pelas tantas, o destino de Eragon se cruza com o de uma bela princesa elfa que está aliada aos rebeldes. Acaba ganhando um aliado amigo, que o salva de poucas e boas, e acabam formando um trio até encontrarem o QG dos Varden.

Murtagh, o amigo (?) de Eragon, ressalte-se, é emo sorumbático, com dificuldades de relacionar-se ou relaxar, sendo perseguido por seu sharingan por sua origem. E, claro, Eragon e Arya, a elfa, se apaixonam, o que nunca é fácil nessas circunstâncias

E assim começam as aventuras de Eragon, cavaleiro dragão, no primeiro livro de sua (NOSSA, JURA?) trilogia. Ok, não é uma trilogia, virou tetralogia, jocosamente uma trilogia de quatro.

Toda a parte anterior dessa resenha foi para apontar, de forma irônica, sarcástica e ácida o que considero o maior e principal ponto fraco do livro: ele é um amálgama de várias sagas famosas. É quase um Senhor dos Anéis encontra Star Wars, com uma boooa pitada dos dragões de Pern por cima (que é uma série que nunca saiu no Brasil mas é um grande sucesso nos EUA).

Para deixar bem claro aqui: eu não chamaria de plágio, pois os elementos de várias histórias estão misturados entre si e não há cópia de nenhuma delas. Mas, também, não há nenhuma originalidade, nenhuma criação em cima de fórmulas já conhecidas, testadas e aprovadas. São elas reunidas, batidas no liquidificador e servidas ao público. É uma espécie de “roteiro-miojo” – bem menos complexo do que o arroz-com-feijão, só jogar a jornada do herói na água por três minutos e pôr temperinhos por cima.

A jornada do herói, ou monomito (algum dia volto ao tema com mais calma), é um roteiro basilar para se contar uma história e muito está relacionado ao processo de crescimento pessoal do indivíduo, mas colocá-la da forma mais linear possível em uma história, de forma que dê para identificar facilmente cada uma de suas etapas, está para lá de batido. É uma maneira fácil e prática de montar uma história, sim, quase com o preenchimento de lacunas, mas não traz nenhuma surpresa para o leitor com algum experimentalismo.

O que é outro ponto importante: eu não sou da faixa etária planejada para o livro, de jeito nenhum. Mas daí lembro que li o Senhor dos Anéis com 15 anos, sem maiores problemas – e, antes disso, já tinha lido Admirável Mundo Novo ou a Odisseia. Tudo bem, eu reconheço que essa é a exceção e não a regra, mas fica complicado não comparar Eragorn com toda a minha carga anterior de leitura – e que a total falta de originalidade do roteiro salte aos olhos.

O que é uma pena, porque a prosa do autor é até gostosa de se ler. Imagino o que ele faria com uma história que fosse um pouco mais dele…

E aqui outro ponto de esclarecimento: como já disse, a jornada do herói é uma das formas mais clássicas de se contar uma história. Há quem diga, inclusive, que todas as histórias já foram contadas. Não estou pregando aqui uma originalidade total – difícil, quase impossível, somos humanos, se formos buscar, todos os nossos dilemas possuem a mesma raiz – mas a utilização de elementos clássicos de uma forma original, de uma maneira nova. As próprias comparações que saltam aos olhos quando se lê Eragon: Star Wars não é um primor de originalidade, mas conseguiu reunir elementos antigos em algo novo. Mesmo o Senhor dos Anéis: trata-se de um paradigma do gênero fantástico, mas algumas das referências são óbvias (como O Anel dos Nibelungos, p. ex.). E, nunca é demais ressaltar, toda obra parte de uma série de referências anteriores – mas para que ela se torne algo novo, deve transcendê-las.

Eragon é um livro divertido, bom para passar o tempo, de leitura rápida. Há alguns problemas de suspensão da descrença – mais para o final, principalmente. Eu deixei de levar o livro a sério depois de uma passagem em que os personagens atravessam um deserto durante o dia (!!!) e praticamente a jato com seus cavalos. Um pouco de lógica básica, no caso, não faria nenhum mal à trama.

Outro ponto é que, pelo menos para mim, Eragon, Saphira e amigos próximos nunca estiveram realmente em perigo – exceto aqueles que, para qualquer um que já viu Star Wars, precisam ser eliminados para o bem da história. Essa sensação de que não interessa o que aconteça, o personagem vai se dar bem – não estou nem falando de morte, mas de ver planos darem redondamente errado, de perigos iminentes, de separações dolorosas, de ver o personagem “por baixo” para poder se reerguer.

Enfim, valeu a leitura, foi leve e divertida. Mas a satisfação foi a mesma de almoçar um miojo porque não tem mais nada em casa…

(e um p.s. inevitável: lá pelas tantas tem um figurante chamado Korgan. Não pude deixar de imaginar Aragorn, filho de Arathorn, herdeiro de Isildur, Elessar, de espada na mão dizendo “there can be only one“).

***

Quer tirar suas conclusões? Compre o livro! (Submarino – Cultura)
***

O link para os comentários está no cabeçalho do post!

Quer ver algum livro aqui? Clique em “O que você quer ver aqui?”, acima.

Azincourt – Bernard Cornwell

Como todo bom leitor, tenho uma relação bastante pessoal com os autores de livros: tem aqueles de quem gosto muito e já li grande parte da obra ou estou próxima disso, os de que gostei da experiência e posso repeti-la, mas não é uma prioridade, os autores cuja leitura de uma de suas obras basta, os que larguei um dos livros pela metade e não pretendo que entrem nunca mais em minha pilha de leitura – e os que não gostei de minha primeira experiência de leitura, mas que por curiosidade ou insistência quero dar uma segunda chance (dois exemplos notórios aqui: William Gibson e André Vianco).

E esse é o caso de Bernard Cornwell. Como vocês já tiveram a oportunidade de perceber, minha primeira leitura do autor não me agradou, mas ele é tão querido e tem tantos fãs cativos que pensei que talvez o problema fosse com o livro escolhido, ou comigo, e resolvi que lhe daria uma segunda chance quando tivesse oportunidade.

Só que como ele é um autor de sagas longas de milhares de livros cada uma – que além de tudo são meio carinhos para meus bolsos de pobre mortal – e gostaria de uma amostra com começo, meio e fim, já que as sagas sempre tem a desculpa do “fica melhor no livro 2” ou algo parecido (eu particularmente discordo deste argumento, se uma história precisa de milhares de páginas para “ficar boa”, então ela não é boa, apesar de reconhecer que há tramas que mostram ao que vieram só lá pela metade ou da metade para o fim), queria um livro-solo. Azincourt, o lançamento mais recente, parecia, então, excelente para minha empreitada.

Bernard Cornwell, para o leitor desavisado, é um autor de ficção histórica em geral e da história inglesa em particular. Suas duas sagas mais conhecidas são as Crônicas Arturianas, que sem dúvida são sua obra mais conhecida, sobre o mítico Rei Arthur e sua Távola Redonda, e as Aventuras de Sharpe, sobre um soldado inglês de mesmo nome do início do século XIX – e daí conclui-se também outra predileção temática, sobre grandes guerras, conflitos e batalhas.

Azincourt (ou Agincourt, depende do lado do Canal da Mancha) é uma das batalhas da Guerra dos Cem Anos, disputada entre Inglaterra e França no século XV (e que teve várias personalidades históricas envolvidas nos seus mais diversos momentos, do rei Henrique V a Joana D’Arc), onde os ingleses, exaustos, devastados pela doença e em desvantagem numérica, venceram uma luta dada como perdida contra os franceses.

E a trama do livro será essa: a batalha e uma série de circunstâncias que as sucederam, através dp ponto de vista do protagonista da vez, Nick Hook, um guarda-caça de nascimento plebeu que é alistado no exército por uma série de circunstâncias que incluem rixas familiares, crimes não cometidos e uma boa dose de azar. Sua habilidade como arqueiro é notória – e a sorte da batalha será definida pela destreza com o arco.

Aqui, um ponto que merece destaque: apesar dos nomes que entram na história serem os dos grandes príncipes, generais e comandantes, quem parte para matar ou morrer em uma batalha são os peões – os soldados comuns, os homens do povo arrancados de sua rotina, voluntariamente ou não, colocados para combater em guerras que não são suas. As vidas na linha de frente são as suas, bem como é seu sangue que tinge de vermelho os anais da história. A trama narrará a história de alguns destes homens, além de, é claro, alguns dos nobres que colocaram seus nomes na história, entre eles o próprio Henrique V.

Mas, voltando ao livro em si: a trama demora para engrenar. As primeiras cinqüenta ou sessenta páginas, ou melhor, todo o caminho que leva Nick até a cidade francesa de Soissons e do massacre que a consumiu, é de uma chatice sem-tamanho. Eu iria largar o livro, desagradada, lá pela página 30, mas, com pena de ter desperdiçado a quantia investida nele, prossegui.

E esse é um dos grandes problemas da trama: as coisas demoram a acontecer e lá se vão páginas e mais páginas de explicações sobre a situação política, a constituição dos exércitos, o funcionamento de seus armamentos e por aí aofra. Para quem gosta deve ser até divertido, mas me deixou entediada.

Outro grande problema do livro é algo que já tinha me saltado aos olhos em O Último Reino: o protagonista, da linhagem de Chuck Norris, é o uber-homem no meio da gente comum: uma habilidade extraordinária com o arco, ok, aceitável; estar no lugar certo na hora certa o tempo todo, até tem desculpa porque a trama precisa caminhar de alguma forma; apesar de ter nascido, crescido e vivido como um guarda-caça treinado no arco em uma roça inglesa qualquer e, após uma hesitação e resistência iniciais agir como soldado com treinamento de exército, a suspensão da descrença começa a sofrer danos; com o passar da narrativa, apesar da guerra rolando solta ao redor, ter a certeza absoluta de que NADA vai acontecer com o protagonista simplesmente porque ele é melhor do que todo o resto: parou, né? (Isso porque nem mencionei que Deus fala com nosso amigo protagonista de vez em quando para impedir que a trama fuja de sua previsibilidade).

Ou seja: um livro em que a leitura não flui de maneira tranqüila, sem personagens carismáticos e com a suspensão da descrença inoperante. Difícil, né? No balanço final, foi interessante por ter me ensinado um pouco mais sobre a história inglesa e europeia, mas decepcionante em termos de trama. A impressão ruim construída em O Último Reino continua.

Ainda estou curiosa para ler as Crônicas Arturianas (porque concluí que pela legião de fãs essa história deve ser muito boa…), mas não é nem de longe uma prioridade na minha lista de leituras…

***

Quer tirar suas próprias conclusões? Compre o livro! (Submarino)

***

Deixe seu comentário! O link está no cabeçalho do post!

Quer ver algum livro aqui? Clique em O que você quer ver por aqui, acima!

Até a próxima!

Leitura Escrita: ano II

Começamos com pé direito o segundo ano de blog! Os links foram arrumados, muita coisa boa foi adicionada – e ainda está por adicionar, vários blogs de autores precisam ser linkados! Se você, leitor, tem alguma sugestão de link, favor deixar nos comentários.

Também foram atualizadas as páginas Sobre a Leitura Escrita e a Política de Spoilers, que vocês encontram no cabeçalho. Há muitos esclarecimentos nas duas páginas, vale a pena dar uma olhadinha!

Amanhã, a primeira resenha de ano novo, então fiquem ligados no blog!